diluições decimais

Diluições decimais para análises microbiológicas: entenda de uma vez este assunto!

Realizar a suspensão inicial e as diluições decimais necessárias em amostras destinadas à realização de ensaios microbiológicos em alimentos e bebidas é uma das tarefas mais triviais dentro de um laboratório, porém o que muitas vezes não é levado em consideração, é a importância de tal atividade para os resultados que serão obtidos após a execução dos ensaios.

Pontos importantes como o tempo entre o término do preparo da suspensão inicial e o momento em que o inóculo entra em contato com meio de cultura, por exemplo, são de extrema importância para garantir a qualidade dos resultados. A norma ISO 7818 Microbiologia de alimentos e de produtos de alimentação animal – Exigências gerais e orientações para análises microbiológicas, cita no item 9.2 que, este tempo não deve ultrapassar 45 minutos, salvo especificação diferente em Padrão Internacional relevante.

 Especificamente sobre suspensão inicial e diluições, a norma ISO 7218 faz menção de outras duas normas, a ISO 6887 e a ISO 8261.

A norma ISO 6887 em sua Parte 1 descreve as regras gerais para preparação e da suspensão inicial e diluições decimais para microbiologia da cadeia produtiva de alimentos, já a norma ISO 8261 trata do mesmo assunto, porém específica para leite e produtos lácteos.

Durante a realização da suspensão inicial, ou também chamada de primeira diluição, é importante atentar para algumas orientações contidas nas normas ISO, por exemplo, a tolerância aceitável para porção da amostra a ser tomada no momento do preparo, de acordo com o item 9.1 da norma ISO 6887-1 a tolerância deve ser de ±5% [seja para massa (g) ou para volume (mL)].

Ainda a mesma norma descreve que a quantidade de diluente a ser adicionada à porção da amostra deve ser igual a 9 vezes a massa ou o volume para preparar a primeira diluição decimal, sendo que a quantidade deve ser medida preferencialmente por massa com tolerância de ±2%, mas também sendo permitida a medida por volume, desde que seja respeitada a mesma tolerância de ±2%.

Outro ponto importante destacado na norma ISO 6887-1 é a porção mínima a ser tomada da amostra para realização da suspensão inicial, sendo que esta não deve ser inferior a 10 g ou 10 mL, salvo indicação contrária.

Amostras de certos tipos de produtos que resultam em uma suspensão inicial viscosa ou mais grossa, quando preparadas com diluição usual 1 em 10, podem necessitar de uma quantidade adicional de diluente para facilitar a realização dos ensaios, nestes casos, segundo a norma ISO 6887-1, o diluente deve ser adicionado em outras proporções (ex. 1 em 20; 1 em 50; 1 em 10) até que uma suspensão inicial satisfatória seja alcançada.

Para evitar danos aos microrganismos por mudanças bruscas de temperatura, a norma ISO 6887-1 descreve que, a temperatura do diluente utilizado deve ser a mesma do ambiente do laboratório, exceto quando especificado de outra forma para produtos em particular de acordo com padrões específicos.

Para leite e produtos lácteos, a norma ISO 8621 descreve que, durante a realização dos procedimentos de preparo da suspensão inicial e diluições decimais, a temperatura não deve exceder aos 20 °C.

A mesma norma recomenda que para produtos que sofreram processamento térmico ou processo de acidificação, haja uma recuperação dos microrganismos estressados a partir da suspensão inicial, sendo que esta reativação consiste em deixar a suspensão inicial em repouso por 45 minutos em temperatura entre 20°C a 25°C antes de realizar uma nova diluição ou inoculação.

De forma geral, a norma ISO 8621 traz alguns procedimentos específicos para o preparo da suspensão inicial de acordo com o tipo de produto lácteo a ser submetido às análises microbiológicas, no entanto todos os cuidados com a realização das diluições decimais são referenciados de acordo com os procedimentos descritos na norma ISO 6887-1.

Com tantas orientações e cuidados necessários no preparo da suspensão inicial e diluições decimais de amostras destinadas à realização de ensaios microbiológicos, fica evidente o quanto esta atividade dita no início como trivial, é de suma importância para que se possa garantir a qualidade e confiabilidade dos resultados obtidos a partir dos ensaios realizados no laboratório.

Mais do que entender como é o processo de realização da suspensão inicial e das diluições decimais, é importante entender o papel fundamental que esta etapa possui dentro do processo analítico com um todo, pois qualquer falha que ocorre nesta etapa comprometerá todas as demais etapas subsequentes, e consequentemente também comprometerá a qualidade dos resultados obtidos.

 

Diluições e sua equivalência em unidades e em Log

diluições decimais

Por: Ederson Josué 

Adicione um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

16 + 13 =