Mudanças no padrão de consumo alimentar

Mudanças no padrão de consumo alimentar no Brasil e no mundo

 
Por Natália Longo Furtado
#alimentonutriçãosegurança
    Com o aumento dos casos de doenças crônicas não transmissíveis, acelerado pela pandemia de Covid 19, as mudanças no padrão de consumo alimentar no brasil e no mundo estão cada vez mais eminentes. Não somente temos o novo normal, onde o consumidor está muito mais preocupado com a higiene e segurança dos alimentos, mas também com a saudabilidade do alimento consumido, procurando viver mais e melhor. Com isso, o setor produtivo de alimentos encara novas tendências e se move no sentido da inovação. Hoje, o consumidor busca alternativas de alimentação mais naturais e funcionais; estão cada vez mais atentos à lista de ingredientes e com a origem destes e buscam o aumento de consumo de produtos orgânicos. A transparência do processo de produção já é essencial, com preocupação nas embalagens, métodos de conservação e impactos que podem gerar ao meio ambiente. Outra tendência observada é o aumento do número de vegetarianos e veganos que aumentou o consumo de produtos chamados plant based. Inclusive, em março deste ano, foi lançada a norma a ISO 23662, que estabelece e define critérios para a cadeia produtiva de alimentos deste tipo e para ingredientes destinados a este público, bem como critérios de rotulagem e de alegações. Em breve teremos a versão em português pela ABNT. Um estudo realizado pela Amcham Brasil (Câmara Americana de Comércio para o Brasil), apoiado pela DuPont Nutrition & Biosciences e com participação de outras 60 empresas da indústria alimentícia, com executivos do setor mostrou que 73% dos consultados acreditam que os produtos de linhas saudáveis serão os principais impulsionadores dos negócios no país nos próximos meses. No Brasil, por exemplo, de acordo com dados da Mintel, uma empresa global de inteligência de mercado, 51% das pessoas têm priorizado uma alimentação saudável. Por isso, há a necessidade de um posicionamento e da oferta de novas opções das empresas do setor alimentício.

O Rótulo como nosso aliado nas mudanças no padrão de consumo alimentar

Enquanto algumas empresas despertam para o novo padrão de consumo temos em nossas mãos, como consumidores, o rótulo dos produtos. O qual devemos usar sem moderação na hora de escolher o que devemos levar para casa. Atualmente, os rótulos ainda são complexos para análise do consumidor. Mas já podemos levar pro mercado junto conosco o conceito do clean label. Que, traduzido literalmente, significa rótulo limpo. Um alimento considerado clean label não deve conter: • aditivos químicos; • conservantes químicos/artificiais; • aromatizantes artificiais. Os produtos clean label, além de não conterem os nomes não-familiares, contém poucos ingredientes. Então, vamos ficar de olho na lista de ingredientes para escolher o produto que se enquadra melhor no que estamos buscando. Em 2022, quando a nova lei de rotulagem nutricional entrar em vigor, teremos mais um aliado para escolha do produto. Com a rotulagem frontal a visualização será bem fácil em relação à informação se um produto tem elevado teor de açúcar, sódio e/ou gordura saturada e com a padronização da porção na tabela de informação nutricional poderemos comparar rapidamente, ali no mercado mesmo, e escolher a melhor opção de acordo com as necessidades individuais.

Você conhece o Nutri-Score?

Já que estamos falando em tendências, de origem francesa, o Nutri-Score é um logotipo que classifica os produtos alimentícios com uma nota de A a E, de acordo com sua qualidade nutricional. O Nutri-Score considera os valores de calorias, açúcares, gordura saturada, sal, proteínas, fibras e também presença de frutas e hortaliças, e com base em um algoritmo classifica o alimento na letra correspondente, possibilitando rápida comparação entre os produtos. Essa classificação já vem sendo utilizada em países Europeus, como França e Bélgica. A Nestlé informou que pretende utilizar em larga escala Europa com intuito de acompanhar o progresso na obtenção de produtos mais saudáveis. Concluímos, portanto, que de olho nessa tendência do mercado consumidor é cada vez mais urgente que empresas do setor que ainda não tenham despertado abram seus olhos e comecem a encarar o desafio: alinhar sabor, saudabilidade e preço. Assista ao vídeo completo deste conteúdo no YouTube.  

Adicione um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

dezessete + dez =