pexels-jimmy-chan-1657935

Dados da insegurança alimentar no Brasil são divulgados

Nós do Semear apoiamos a acessibilidade. Ouça nosso conteúdo em áudio:

Foi publicado este mês o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil (II VIGISAN), desenvolvido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN). Este documento analisa dados coletados entre novembro de 2021 e abril de 2022, a partir da realização de entrevistas em 12.745 domicílios, em áreas urbanas e rurais de 577 municípios, distribuídos nos 26 estados e Distrito Federal. Os números encontrados neste estudo assustam e alarmam, demonstrando que a insegurança alimentar se agravou no Brasil e a fome segue crescendo. Separamos aqui alguns dados: 33,1 milhões de brasileiros estão passando fome e mais da metade da população do Brasil vive em algum grau de insegurança alimentar. Fonte: https://olheparaafome.com.br/ A insegurança alimentar é classificada em três níveis de acordo com o acesso regular e permanente a alimentos: LEVE: Incerteza quanto ao acesso a alimentos em um futuro próximo e/ou quando a qualidade da alimentação já está comprometida. MODERADA: Quantidade insuficiente de alimentos. GRAVE: Privação no consumo de alimentos e fome. O estudo mostra que as formas mais severas de insegurança alimentar (moderada ou grave) acometem parcelas maiores da população nas regiões Norte (45,2%) e Nordeste (38,4%), e que no campo, a situação é ainda mais grave. Outro dado que merece nossa atenção é o fato que em lares com responsáveis que se autodeclaram de raça/cor preta ou parda, 65% convivem com restrição de alimentos. E a fome, saltou de 2020 para 2022 de 10,4% para 18,1% nestas residências. Já nos lares comandados por mulheres a fome passou de 11,2% para 19,3% e 6 em cada 10 deles há algum grau de insegurança alimentar. Outro ponto destacado no estudo é a insegurança hídrica, ou seja, a falta de acesso regular e permanente à água, que acomete 12% da população brasileira. A insegurança hídrica está fortemente relacionada à insegurança alimentar, onde em 42% dos domicílios com insegurança hídrica também existe a insegurança alimentar grave, ou seja, as pessoas convivem com a sede e a fome. Este estudo nos mostrou o agravamento das diversas manifestações da desigualdade social e é um convite à reflexão e a mudança comportamental de cada um de nós cidadãos. O SEMEAR já vem trabalhando com o tema “Redução do Desperdício de Alimentos” que é cada dia mais necessário e urgente. Portanto, “OLHE PARA A FOME”. Referência: https://olheparaafome.com.br/
Tags: No tags

2 Responses

Adicione um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

um × 5 =