vitaminas

Gerenciamento de Alergênicos, por onde começar?

Nós do Semear apoiamos a acessibilidade! Ouça nosso conteúdo em áudio: 

Quando falamos em alergias provocada por alimentos, muitos são os atores envolvidos neste processo, desde o consumidor, passando pelo médico que realiza o diagnóstico e claro a cadeia de produção de alimentos como um todo. Vamos saber mais sobre o gerenciamento dos alergênicos?  Todos os envolvidos neste assunto possuem papel fundamental para que o consumidor tenha uma vida saudável. Neste artigo falaremos da cadeia de produção de alimentos e a importância de cada área/setor para garantir um correto gerenciamento de alergênicos.

Como é feito o gerenciamento de alergênicos?

O princípio básico para uma correta gestão de alergênicos em uma indústria de alimentos ou em um estabelecimento de alimentação é a implementação de um eficiente canal de comunicação entre os diferentes setores e atores.  É importante entendermos que o envolvimento da Direção é de extrema importância e vital ao sucesso do programa, assim como em qualquer programa de qualidade ou de segurança dos alimentos. Se o sistema de gestão definido não é sustentado pelos objetivos da organização, dificilmente a implementação será bem sucedida. Indicadores de desempenho devem ser definidos e acompanhados para avaliar a eficácia do sistema e permitir a melhoria contínua.  Assim, temos aqui, dois pontos primordiais para a implementação de um programa de gerenciamento de alergênico robusto e eficaz: Envolvimento da Direção e Comunicação. Para uma comunicação assertiva, é necessário mapear a empresa e todas as áreas envolvidas no Gerenciamento de Alergênicos, e podemos afirmar que, todas as áreas acabam desempenhando algum papel importante, desde o setor de Recursos Humanos, que precisa oferecer treinamento apropriados e engajar os colaboradores neste programa, até os colaboradores do departamento comercial que devem conhecer o produto que comercializam e terem capacidade de repassar aos consumidores quaisquer informações que possam impactar sua saúde, sobretudo quando falamos dos alergênicos, ou seja, todas as áreas: qualidade, produção, laboratório, desenvolvimento, compras, expedição, etc, possuem algum papel relevante na gestão de alergênicos da empresa. Em uma unidade de produção, é de extrema importância que o fluxo do produto, desde a chegada das matérias-primas até a saída do produto acabado, esteja definido e inserido no sistema de gestão e considere toda a equipe envolvida neste processo. Como o processo produtivo não é estático, é importante que a equipe avalie a todo momento sua eficácia e discuta criticamente os resultados das atividades de verificação. Na figura abaixo estão os elementos chave do processo de gestão de alergênicos na indústria de alimentos. gerenciamento de alergênicos       Aprovação de fornecedores: é importante considerar a avaliação do sistema de gestão de segurança dos alimentos dos fornecedores e não somente a informação sobre presença ou ausência de determinado alergênico naquele insumo. No desenvolvimento do produto, é importante que as formulações sejam avaliadas de modo a considerar todos os alergênicos possíveis. Deve-se também avaliar se é possível uma substituição de ingrediente, caso se opte por preservar as informações de alergênicos no produto. Outro ponto importante nas formulações é que, caso haja uma mudança de fórmula, esse ingrediente será criticamente avaliado e seu impacto na segurança do produto deverá ser levantado. As instalações, equipamentos e processos deverão ser estabelecidos após um estudo de possibilidades de contaminações cruzadas durante o fluxo de produção do produto. As produções devem ser otimizadas e as linhas em que são manipulados alergênicos devem estar mapeadas e claramente identificadas. Uma análise de Risco é fundamental, para determinar os monitoramentos e controles que deverão ser implementados. Os procedimentos de limpeza são peça chave na prevenção da contaminação cruzada. Uma falha no procedimento de limpeza certamente ocasionará contaminação cruzada.  A rotulagem deve atender a RDC26/2015 da ANVISA e a condição básica para que ela seja adequada é que todo o processo de produção esteja mapeado e entendido. A rotulagem é uma consequência direta da gestão, seja ela eficiente ou não. Os consumidores devem ter acesso a informação correta e verossímil contida no rótulo para que possam ter a segurança de que o produto é adequado ao seu consumo.  Saiba qual é o papel da indústria no gerenciamento de alergênicos

Como podemos te ajudar a fazer a gestão dos alergênicos?

Preparado para atender o mercado de alimentos, o laboratório BRQuality conta com equipe altamente capacitada para te instruir, excelente estrutura, e as metodologias adotadas são oficiais e referenciadas. Treine sua equipe de colaboradores para fazer o controle correto de alergênicos. Clique na imagem e entre em contato! Referências  E.book Gerenciamento de Alergênicos, 2021, BRQuality, Capítulo 3. Por: Keli Lima Neves e Ederson Josué

Adicione um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

6 − 5 =