ostra-beneficio

7 alimentos que você deve evitar

Saiba as comidas que você deve evitar, segundo especialista em segurança dos alimentos.

Fonte: BBC NEWS Brasil

Na semana passada abordamos no blog Semear o novo documentário da Netflix Contaminação: A Verdade Sobre o que Comemos. Neste documentário, Bill Marler é um advogado que se dedica à área de segurança dos alimentos e representa vítimas de E. coli, salmonella, listeria e outras doenças transmitidas por alimentos contaminados há 30 anos. 

No documentário, a cineasta estadunidense Stephanie Soechtig leva o espectador por um breve passeio pela jornada da humanidade na Terra, aborda o sentido (e, em especial, a falta de sentido) de determinados comportamentos; vícios das relações de consumo; a inércia diante de fantasias que empurram-nos goela abaixo, junto com organismos microscópicos e a invencível ganância das megacorporações. Na sequência, Soechtig conversa com Bill Marler, um advogado que fez da segurança dos alimentos um meio e um propósito de vida. Nos últimos trinta anos, Marler vem lutando por vítimas de graves surtos de bactérias, fungos e vírus encontrados, indo nas gôndolas das maiores redes varejistas dos Estados Unidos. 

O advogado conversou com a BBC e listou algumas comidas a serem evitadas por quem quer passar longe das infecções alimentares. Já que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima-se que 600 milhões de pessoas todos os anos devido à ingestão de alimentos contaminados e 420 mil pessoas morrem anualmente. De acordo com Bill Marler, prestar atenção no que se come é a melhor forma de evitar a contaminação.

Aqui vão algumas dicas de Bill Marler para se manter saudável. Você quer saber o que deve evitar?

Leite e sucos sem pasteurização

A experiência de Marler o ensinou a evitar produtos lácteos crus ou não pasteurizados e sucos não pasteurizados. O risco está na contaminação pela bactéria E. coli. 

“Quaisquer benefícios à saúde do leite não pasteurizado simplesmente não valem o risco. As pessoas se esqueceram das doenças que existiam no século 19”, diz Bill Marler.

 

Brotos crus

Marler não come brotos crus, como alfafa, feijão mungu ou brotos de feijão. Eles têm sido associados a alguns dos maiores surtos de doenças de origem alimentar do mundo. 

Em 2011, um surto relacionado a sementes de feno grego resultou em até 900 pessoas com insuficiência renal e mais de 50 mortes na Alemanha. 

“As sementes ficam contaminadas à medida que crescem ao ar livre. Quando você as traz para dentro e as coloca em um bom banho de água para brotá-las, é um meio perfeito para o crescimento bacteriano”, diz Marler. “Não conheço ninguém na indústria de segurança dos alimentos que coma brotos crus.”

Carne mal passada

Bactérias que estejam na superfície da carne são misturadas durante a produção de carne moída ou picada. É por isso que é importante cozinhar bem um hambúrguer, por exemplo. E não são necessárias muitas bactérias para provocar uma infecção. 

“Cerca de 50 bactérias E. coli são suficientes para matar e 100.000 cabem na cabeça de um alfinete. Não é algo que você possa ver, provar ou cheirar. Cozinhar hambúrgueres completamente é a única maneira segura [de evitar o risco]”, diz Marler. 

Ele recomenda que o hambúrguer seja cozido a uma temperatura de 69º C para eliminar quaisquer patógenos. Quando se trata de bifes, normalmente há menos perigo, pois as bactérias que estão na superfície da carne acabam morrendo durante o processo de cozimento.

Frutas e legumes pré-lavados e pré-cozidos

“Quando você come um hambúrguer, a parte mais perigosa não é o hambúrguer em si. Mas a cebola, a alface e os tomates”, diz Mansour Samadpour, consultor de segurança dos alimentos do documentário da Netflix. 

Em 2006, um grande surto de E. coli ligado ao espinafre deixou 200 pessoas doentes e até cinco pessoas mortas nos EUA. Marler representou a maioria dos envolvidos. Uma investigação posterior ligou a contaminação bacteriana a uma fazenda de espinafre na Califórnia que, após a invasão de algum animal nas plantações, teve suas verduras contaminadas por fezes com E. coli. Quando os espinafres foram cortados e lavado três vezes, essa bactéria se espalhou entre os produtos e acabou sendo enviada para todo o país, deixando muitas pessoas doentes. “A conveniência de ter alguém lavando sua alface vale o risco de mais pessoas manuseando as folhas? Se mais pessoas manusearem a alface e ela estiver contaminada, ela se espalha rapidamente”, diz Marler.

Ovos crus ou mal cozidos

O perigo dos ovos vem da infecção por salmonela, uma bactéria comum que pode causar diarréia, febre, vômito e cólicas estomacais. Pessoas muito jovens ou muito velhas podem ficar gravemente doentes e até morrer. 

Diversos eventos desastrosos envolvendo ovos foram registrados na história recente: em 1988, o medo da salmonella levou o governo do Reino Unido a ordenar o abate de mais de 2 milhões de frangos. Em 2010, uma ameaça semelhante causou o recolhimento de 500 milhões de ovos nos Estados Unidos. Marler diz que os ovos são mais seguros hoje do que eram antes, mas ele pede cautela pois a salmonela ainda representa um risco para os consumidores de ovos crus ou mal cozidos. “Cerca de 1 em 10.000 ovos tem salmonela dentro da casca. A galinha pode desenvolver salmonella no ovário – ela entra no ovo e você não pode fazer nada além de cozinhá-la.”

Ostras e outros mariscos crus

O risco das ostras e outros mariscos crus é que eles são filtradores. Isso significa que se houver uma infecção bacteriana ou viral na água, ela entrará facilmente na cadeia alimentar. 

E segundo Marler, o problema está sendo agravado pelo aquecimento global. “Com o aquecimento dos oceanos, ocorre um aumento nos eventos de contaminação relacionados às ostras: hepatite, norovírus, etc. Sou de Seattle e algumas das melhores ostras do mundo vêm do noroeste do Pacífico, mas há claramente problemas acontecendo com a qualidade da nossa água e a temperatura. É um novo fator de risco que você deve levar em consideração ao pedir ostras cruas”, diz ele.

Sanduíches embalados

“Você deve verificar cuidadosamente as datas de validade dos sanduíches e, de preferência, comer alimentos que você mesmo prepara ou que são preparados na hora”, aconselha Marler. Ele adverte que a validade do sanduíche é o principal fator de risco e que alimentos vencidos podem levar à exposição à listeria montocytogenes – uma bactéria muito desagradável. 

Segundo ele, esses bacilos são grandes assassinos nos Estados Unidos e em todo o mundo e tem a capacidade de mandar todos que o ingerem para o hospital. “A listeria cresce muito bem na temperatura da geladeira, então se alguém fizer um sanduíche para você e você o comer quase imediatamente, o risco de listeria é baixo. Mas se ficar guardado na geladeira por uma semana antes de você comer, isso dará a chance de ele crescer em quantidade suficiente para causar uma infecção”, diz ele.

Sushi é normalmente seguro

Mas um alimento sobre o qual as pessoas costumam ser céticas e que não preocupa muito Marler é o sushi. O especialista, no entanto, admite que é preciso ter atenção sobre onde comprar o peixe. “Vou com mais frequência a um bom restaurante de sushi do que a uma churrascaria. O risco de contaminação por peixe não é tão alto”, diz ele. 

“Eu não compro sushi em uma mercearia ou posto de gasolina. Um bom restaurante de sushi é bastante seguro, pois os peixes têm baixo risco quando se trata de infecções bacterianas. É um perfil de risco com o qual me sinto mais confortável”, diz ele.

 
 

Adicione um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

quinze − treze =